Trilha inca 54 resultados
Natureza 3 resultados
Fauna característica da Trilha Inca
Clique para classificar o artigo
fauna camino inca

A Trilha Inca é uma rota cheia de aventura, história, flora e fauna. O Sernanp (Serviço Nacional de Áreas Naturais Protegidas do Estado) informou cerca de 13 espécies de peixes, 12 espécies de anfíbios, 22 espécies de répteis, 423 espécies de aves e 53 espécies de mamíferos. Só em Machu Picchu, destino final do percurso, destaca-se a presença de animais como lhamas, colibris gigantes, galo das pedras e, às vezes, o famoso urso andino.


Urso de óculos

Seu nome científico é tremarctos ornatus. Também é conhecido como urso andino. Habita florestas úmidas onde existem árvores e a água é abundante.

O urso de óculos é herbívoro (apenas 4% de sua dieta não é vegetariana). Tem hábitos solitários. Pode medir até 2,2 metros em duas pernas. É caracterizada por ter manchas brancas ao redor dos olhos. Devido a esta característica recebe o seu nome.

Este animal está ligado a mitos e lendas que o consideram um ‘totem’. Ele está relacionado a algumas danças folclóricas andinas, onde é conhecido como ‘ o ukuku ‘, filho de uma princesa inca com um urso.

O urso de óculos pode ser visto durante a Trilha Inca. Não é um animal que geralmente ataca humanos. Mesmo assim, se você encontrar um, o melhor é sair e tirar fotos à distância.

Oso de anteojos
Urso de óculos
 

Puma Andino

Seu nome científico é puma concolor. Habita quase todo o continente americano pelo qual é conhecido de diferentes maneiras, de acordo com cada região (também é chamado de leão da montanha, leão americano ou simplesmente puma).

O território do puma andino se estende do Canadá até o final da Cordilheira dos Andes. Eles também podem ocupar territórios acima de 5.000 metros de altitude e florestas tropicais sul-americanas.

Ao contrário de outros felinos como o leão, este apenas ronrona. Sua fonte de alimento são camelídeos, roedores e até insetos. Apesar da invasão humana de seu território, o puma andino prefere evitar o contato com homens.

Durante a Trilha Inca é muito raro encontrar um puma andino. Estes tendem a se afastar dos caminhos feitos pelo homem e ocupar as áreas montanhosas de Cusco. No caso de você topar com um, apenas recue devagar, faça barulho e tente afugentá-lo.

Puma andino
Puma Andino
 

Condor andino

Seu nome científico é vultur gryphus. É a segunda maior ave do planeta, atrás apenas do albatroz. Em comprimento, pode atingir 1,42 metros, enquanto com as asas estendidas pode atingir 3,30 metros.

Seu habitat natural é a Cordilheira dos Andes (montanhas do Peru, Equador, Bolívia, Colômbia, Chile, Venezuela e Argentina). Alimenta-se principalmente de carniça. É caracterizada por seu grande tamanho, asas negras e seu grande olfato e visão.

O condor pode percorrer grandes distâncias em um curto espaço de tempo, desde alturas de 6 mil metros acima do nível do mar até a costa do Oceano Pacífico. Atualmente é considerada uma espécie ‘quase ameaçada’.

Durante a Trilha Inca não é muito recorrente a apreciação de condores embora seja possível, principalmente no primeiro dia de viagem.

Condor andino
Condor andino
 

Taruka ou veado andino

Seu nome científico é Hippocamelus antisensis. É um cervo ameaçado de extinção que habita as escarpas andinas. Ele se move pelas florestas de 1.500 metros de altitude a 3.200 metros.

É conhecido como veado andino. É um animal esguio que pode atingir 80 centímetros de altura e possui pelagem curta e chifres pequenos.

Ele usa seus cascos para escalar as florestas andinas. Eles são animais evasivos das pessoas. Eles podem viver 14 anos.

Durante a Trilha Inca, principalmente nos últimos dias de caminhada, é possível avistá-los escondidos entre as matas. No entanto, esses animais geralmente escapam rapidamente quando veem humanos.

camino inca Machu Picchu
Taruka ou cervo andino
 

Lobo do rio

Seu nome científico é lontra longicaudis. É também conhecido como ‘Lontra do Noroeste, Lontra Neo Tropical ou Cão de Água. Habita os poderosos rios da América Central e do Sul.

Este mamífero carnívoro é encontrado em regiões montanhosas até 3.000 metros acima do nível do mar. Em Machu Picchu pode ser visto na estação das chuvas quando o rio Urubamba nasce. Seu corpo chega a 2 metros de comprimento.

O lobo do rio é um animal ameaçado devido à depredação de seu habitat devido ao crescimento populacional e à exploração de madeira.

Na Trilha Inca pode ser avistado à distância, descansando nas rochas do Rio Vilcanota durante os últimos dias da caminhada.

Lobo de río
Lobo do rio
 

Galo das Rochas

Seu nome científico é rupicola peruviana. É considerada a ave nacional do Peru. Habita as regiões andino-tropicais da América do Sul. Os espécimes machos apresentam coloração avermelhada e preta de grande beleza.

Em outros países da América do Sul também é chamado de ‘gallito de las sierras’ (Venezuela), galo andino (Equador) ou galo-da-rocha andino (Colômbia). Seu nome está relacionado aos seus ninhos em falésias rochosas longe de predadores.

O galo das pedras é muito visto no caminho de Aguas Calientes até a cachoeira Mándor. Tem 32 centímetros de comprimento. O macho tem cores muito vivas entre vermelho, laranja e preto, enquanto a fêmea é apenas cinza. É uma ave solitária e silenciosa.Na época de acasalamento, cerca de 50 machos se reúnem nas rochas para serem escolhidos pela fêmea.

Durante a Trilha Inca é possível observá-los no último e penúltimo dia, nas falésias da montanha escondidas entre a vegetação.

Gallito de las rocas
Galo das Rochas
 

Churrete real

Seu nome científico é cinclodes aricomae. Ave endêmica do Peru que habita florestas de polylepis em encostas em escassas florestas tropicais e regiões montanhosas do Peru e da Bolívia. Ele prefere regiões montanhosas 3.500 a 4.800 metros acima do nível do mar.

Tem uma cor castanha com manchas brancas nos olhos. Ele mede 22 centímetros e está em perigo crítico de extinção porque sua população é pequena.

Este pássaro é muito visto ao longo da Trilha Inca e por todo o Santuário Histórico de Machu Picchu.

Churrete real
Churrete real
 

Pato das torrentes

Seu nome científico é merganetta armata. Também é conhecido como pato da torrente ou pato do disjuntor de corrente. Habita os rios de fluxo rápido da Cordilheira dos Andes. Prefere altitudes entre 1.500 e 4.500 metros acima do nível do mar.

No Santuário Histórico de Machu Picchu costuma ser observada no período das chuvas (entre novembro e abril). Possui plumagem vistosa, bico vermelho e patas vermelhas nos machos e amareladas nas fêmeas. Ele mede entre 38 e 46 centímetros.

Durante a Trilha Inca é possível observá-los à distância sobre as águas do Rio Vilcanota. Principalmente em janeiro, fevereiro ou março.

Pato de los torrentes
Pato das torrentes
 

Jergon Andino

Seu nome científico é Bothrops andianus. É uma espécie endêmica de cobra venenosa. Os adultos têm normalmente de 60 a 70 centímetros de altura.

Habita as regiões montanhosas tropicais de Cusco e Puno, no Peru. Prefere habitats entre 1.800 e 3.300 metros acima do nível do mar.

Possui uma coloração marrom e chumbo que os imita facilmente. No entanto, eles geralmente não rastejam nas trilhas da Trilha Inca (sim nas florestas restritas aos visitantes). Caso encontre algum, é melhor não incomodá-lo e seguir seu caminho.

Jergón andino
Jergon Andino
 

RÃ andina

Seu nome científico é telmatobius. É um gênero de anfíbios que possui mais de 64 espécies, muitas das quais são endêmicas. Eles habitam a cordilheira dos Andes, principalmente nas geografias montanhosas tropicais do Peru, Bolívia, Equador, bem como no norte do Chile e Argentina.

Este sapo d’água mede 53 a 67 milímetros. Possui coloração laranja. Vive em zonas húmidas, nascentes e riachos. No Santuário Histórico de Machu Picchu existem várias espécies, muitas delas em vias de extinção.

Ao longo da Trilha Inca é possível avistá-los, principalmente nos riachos na época das chuvas (principalmente nos meses de janeiro, fevereiro e março).


Colibri gigante

Seu nome científico é patagona gigas. Como o próprio nome sugere, é o maior colibri do planeta, podendo atingir mais de 18 centímetros. Existem duas subespécies registradas: o colibri gigante do Chile e da Argentina, bem como o colibri gigante peruano.

Esta última subespécie habita regiões tropicais andinas, como o Santuário Histórico de Machu Picchu. Eles podem ser vistos em regiões de 1.500 a 3.500 metros acima do nível do mar. Destacam-se sua cor marrom e branca. Seu vôo não é tão rápido quanto os colibris comuns. Não está em vias de extinção.

Ao longo da Trilha Inca é possível apreciar o colibri gigante durante os quatro dias de caminhada.


Borboletas

Borboletas ‘lepidoptera’ abundam durante a Trilha Inca. Existem espécies de muitos tipos de cores. Estima-se que no Santuário Histórico de Machu Picchu existam mais de 500 espécies de borboletas.

Sernanp relata que 10% das borboletas no Peru são encontradas em Machu Picchu e na Trilha Inca. Na rota de caminhada, são mais vistos nos últimos dias de caminhada (vivem preferencialmente entre 1.800 e 2.000 metros acima do nível do mar.


Lhama

O nome científico das lhamas é Lama glama. Este mamífero pertencente à família dos ‘camelídeos’ habita as regiões frias e montanhosas da Cordilheira dos Andes em países como Peru, Bolívia, Chile, Equador, Colômbia e até Argentina.

Lhamas são domesticados. Os incas o utilizavam como transporte de cargas e pela qualidade de sua lã. Sua carne também é comestível.

Durante a Trilha Inca eles não são visíveis até o final porque em Machu Picchu existem cerca de vinte lhamas pastando no sítio arqueológico. Os turistas podem ser fotografados com um, desde que não os incomodem.

Lhamas são animais dóceis e curiosos que gostam de se aproximar dos humanos. Porém, se se sentem ameaçados, defendem-se cuspindo.

Llamas
Lhama
 

 

De Inca Trail Machu Picchu - Ultima atualização, 05-05-2021

 


Os antecedentes de Cultura do Império Inca é cheio de mistérios para resolver, é para admirar o trabalho construtivo dos Incas.


Marcado com: